Uma mulher na rua com a câmera na mão: Cassiandra Azevedo.

Postado por 03/09/2019

Falar sobre representatividade e entender a importância do papel de cada jornada é saber que fazer arte é ter uma missão: ser sincero e verdadeiro com aquilo que é colocado no mundo sob seus olhos.

Cassiandra Fernandes de Azevedo nasceu em Sulacap, no Rio de Janeiro. Ao longo da vida morou e teve experiência em vários locais da Zona Oeste da Cidade Maravilhosa. Ela me fala sobre as férias no Recreio e sua experiência com o surf, a praia e o esporte. Conta como foi crescer sendo a única mulher no meio de espaços ocupados em sua maioria por homens. 

 

Em 2012, Cassiandra se muda para Realengo e, entre diversas experiências, se vê em uma nova fase, com mais responsabilidades no âmbito familiar. Foi um período de descoberta pois Cassiandra passa a se conectar cada vez mais com o espaço urbano e desenvolve autoconhecimento tendo sua mãe, Roselice Fernandes Santos, como um grande espelho

Cassiandra sempre teve muita influência da estética fotográfica de moda, produtos e comportamento. Ela cita a Vogue e seus editoriais como grande influência para o estudo e prática, surgindo a partir daí o questionamento: Por que raramente as mulheres são vistas como produtoras ativas de arte?

 

Ainda sobre essa época, a fotógrafa me fala sobre a importância de estar fora de casa, estar produzindo material a todo vapor e parar em casa apenas para recarregar as energias para a próxima batalha. Apesar de ser uma amante da correria, Cassiandra nunca descartou o espaço litorâneo, sempre fazendo uma grande ponte entre a praia e a rua.

 

Na juventude, Cassiandra organizou e produziu eventos de slackline, sendo uma das primeiras mulheres do Rio de Janeiro a competir pelo esporte. Mesmo dentro de um círculo fechado, sempre fez a diferença, sendo uma mulher de atitude entre os homens. Isto foi de grande importância, pois passou a gerar representatividade para suas amigas e outras mulheres.

 

Infelizmente, Cassiandra não seguiu no esporte. Ela comenta que talvez foi pelo conservadorismo da família na época e por estar vivendo uma fase de evolução pessoal, dando passos que ela ainda não imaginava que daria. Assim, sua experiência na fotografia passa a se tornar cada vez mais prática, produzindo material para seus amigos do esporte, apresentando sempre um olhar decidido.

Nesse mesmo período, Cassiandra passa a fechar parcerias com lojistas de biju, revistas e comércio local, como o Brownie do Luiz, oferecendo um direcionamento e olhar artístico para seus produtos, mesmo com baixo orçamento e pouca estrutura de equipamentos. Passa sua visão para frente, mas ainda sentindo que faltava algo para chegar em seu melhor aproveitamento criativo.

 

Entre 2016 e 2017 a vida de Cassiandra tem um ponto de virada. Ela começa uma empreitada no ramo fotográfico de biquínis e vestuário de banho feminino. Passa a lidar diretamente com grandes marcas, passando assim a expandir sua visão de negócios e se conectar com suas raízes, sendo uma mulher preta e entendendo a necessidade de contribuir para a cultura.

 

Sua correria passa a se expandir para além da Zona Oeste, quando ela é abraçada por Júnior Negão e o coletivo Ghetto Run Crew, onde passou por experiências de grande importância para seu amadurecimento, visualizando por meio da filosofia da Crew um universo muito mais amplo que aquele apenas de praia. Cassiandra se assume como parte dos dois pólos.

 

Ainda em 2017, Cassiandra começa a produzir para a Ghetto Run Crew e, no meio disso, também começa a desenvolver suas próprias exposições fotográficas, fruto dessa experiência com a rua e a comunicação. A fotógrafa neste mesmo período realizou produção de marcas importantes no streetwear nacional como a Pormenor e a Oss company, além de parcerias importantes, como a modelo Deise Nicolau.

 

Um ano de correria vem junto de grandes conquistas. Cassiandra leva sua exposição, totalmente voltada para o olhar da cultura periférica, para o Fashion Mall, Cidade das Artes e outros locais, sempre mesclando fotografia, rua, arte e moda.

Sempre exercendo sua criatividade, Cassiandra passa a não se limitar somente na fotografia de produtos ou a camada mais básica da moda. Ela pega sua experiência com players de todos os tipos e, a partir daí, uma aceitação pessoal cada vez maior floresce. Cassiandra passa pela transição capilar, raspa seu cabelo, antes sempre alisado, e se torna cada vez mais forte justamente por se conectar com histórias de mães pretas que passaram por este mesmo processo.

Neste ano um convite surge, Cassiandra realiza outra exposição pessoal Wiews  no SOMA em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense. Já nascendo a partir dessa ideia o seu Streetz Rio, um projeto visual que buscando fugir da rotina que a cidade apresenta, fotografando como uma nômade em cada lugar que passa. 

 

No meio desse turbilhão de produções e experiências, Cassiandra começa a interagir no rap através da Vivi Cunha, uma grande amiga, e cria conexões com a Medellin Records. Passa a entender que seu espaço é a rua e a liberdade, não devendo se ater apenas a uma produtora como se fosse todo. A fotógrafa cita Wilmore como um grande amigo nessa busca pelo aprendizado e amadurecimento de olhares sobre a fotografia de rua.

 

Em 2018 ela passa a desempenhar um trabalho de grande importância para sua graduação de Marketing. Desenvolveu um papel de fotografia, gestão de imagem e comunicação do Kazarão Music Studio e a Rádio Otra Vibe na Vila Vintém por cerca de sete meses.

 

Em 2019, Cassiandra  já se formou em Marketing. Ela assume essa formação como uma grande vitória, principalmente para uma família conservadora que, em momentos pontuais da vida, não lhe deu crédito. Assim, passa a ter mais força em seus projetos pessoais.

 

Cassiandra, nos dias de hoje, está em uma espécie de laboratório criativo para a realização de novas exposições, como de seu projeto Streetz Rio, além de ter sido a primeira fotógrafa de uma recente e polêmica ascensão no trap carioca, o Meno Tody. Com uma visão ampla e entendendo seu lugar de fala, Cassiandra dá passos largos na busca pela essência pessoal pela arte, ser ela mesma.

 

*Todas as fotos são de Edson Jonathan

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Rico além do dinheiro: Filipe Ret e Imaterial

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Depois de Audaz (2018), álbum que encerra uma trilogia muito consistente dentro do rap, que ainda conta com Vivaz (2012) e Revel (2015), Ret mostrou um crescimento fora da curva. Diferentemente do caminho que trilhou em seus três primeiros projetos, que somados a mixtape Numa Margem Distante (2009) fundamentaram sua carreira, o rapper entra em […]

Conheça Bryan AVS

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Sempre que um nome interessante surge no nosso radar, buscamos saber suas inspirações e o que levou esse artista a construir pontes com o público. Hoje vamos falar de Bryan AVS: DJ e produtor que acaba de anunciar seu segundo projeto, a mixtape “Peças”. Sobre vida, arte e primeiras produções: “A arte está na minha […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]