Ultimo episódio do nosso podcast AUR, Atemporal

Postado por 07/07/2017

É com muito prazer e realização que lançamos o ultimo episódio da primeira temporada do nosso podcast AUR, Atemporal.

Muita musica boa, muitas conversas interessantes e muitas respostas positivas rolaram nessas ultimas quatro semanas. Uma produção de extrema qualidade que não seria possível sem o suporte incrível do selo Duto que abriu o seu estúdio como todo carinho e profissionalismo para nós!

Um grande salve e agradecimento para os nossos artistas, DJs e apresentadores Tamy, Julio Rodrigues e Pedro Bonn que mostraram desenvoltura, sets diferenciados e um incrível carisma com o mic nas mãos.

Logo menos estamos de volta com o nosso podcast! Tá na pista o ultimo episódio da primeira temporada do AUR, Atemporal! Ouça, aprecie e compartilhe!

Arte: Schineider

Foto: Thiago Monçores

Escute: soundcloud.com/aurmusic

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]