Posts

“Quanto mais eu faço, melhor eu fico”

O ato da escrita sempre foi um prazer pra mim. Depois que a AUR, se tornou de fato um canal de comunicação com um site forte e redes sociais, eu me dediquei mais a isso e comecei a melhorar de fato naquilo que eu sempre gostei. Escrevi bons textos, comecei a ler mais e a melhorar as minhas técnicas de escrita. Daqui a pouco eu volto nesse assunto.

Quinta feira passada rolou o show de um dos caras que eu mais escutei de 2 anos pra cá.

Thundercat.
Baixista, cantor, compositor e um dos artistas mais versáteis e com personalidade que apareceram de uns tempos pra cá. De uns tempos pra cá, deixa uma margem que ele só brotou pra um público maior a pouco tempo, acho que errei. Com 16 anos se tornou baixista da respeitada banda de punk rock “Suicidal Tendences”, produziu nomes como Erykah Badu, Flying Lotus e Kendrick Lamar, e lançou dois aclamados discos: “Apocalypse” e o último “Drunk”. Um passeio entre inúmeros estilos musicais, mantendo sempre a sua personalidade forte como músico e como artista.

Francisco Costa – IHateFlash

O show.
Por sermos originalmente uma marca que tem a música como principal veículo de comunicação, mandei um e-mail pro Circo Voador e pra produtora do show do cara pedindo uma entrevista. Já tava bem desacreditado num possível papo com o cara – Um dos maiores baixistas/cantores do mundo vai falar comigo? – e só consegui as credenciais pro show muito em cima da hora.

Chegando no circo, encontro Paulo – O assessor de imprensa do show – me diz que de repente rolaria a entrevista. Eu gelei na hora. Fui totalmente desarmado pra aquilo. Passei o show inteiro bolando as perguntas na minha mente, de uma entrevista que ainda não acreditava que fosse rolar.

O show foi muito mais incrível do que eu imaginava. A abertura foi do DJ que nunca erra, Daniel Tamenpi. Ele sempre sabe o que tocar e como assumir a responsa de abrir grandes shows internacionais. Uma entrada simples marcou o início do show. O PA do circo tava muito pesado e colocava em sinergia os teclados de Dennis Hamm, a bateria de Justin Brown e o baixo e a voz de Thundercat. Cenário muito simples, mas com uma iluminação muito boa, que dava o verdadeiro protagonismo que os 3 mereciam. Eles emendaram, já na segunda música, “Uh Uh”, que é um som instrumental do álbum “Drunk” e isso me deixou particularmente surpreso. Eles alongaram a track, parecendo que estavam fazendo uma simples jam sessions, tamanho o entrosamento entre os 3. E fazer isso já no segundo som de um show, é de se surpreender. “Lava Lamp” me deixou emocionado ouvindo ao vivo, pela sinceridade da letra e como ela foi perfomada. O som que eu mais gosto “Lone Wolf and Cub” foi tocado e me surpreendeu bastante pois é uma track que é pouco conhecida entre os fãs. Uma parceria incrível entre ele e Flying Lotus com um forte swing e soul. “Jethro”, a minha preferida do “Drunk” deu um balanço muito foda na pista e o salve que ele deu pro Kendrick em “These Walls” (Vencedora do Grammy de melhor colaboração na categoria Rap em 2017) e “Complexion” me deixaram sem palavras.

O amor dele pela cultura asiática foi muito bem explicado por ele mesmo em “Tokyo”, quando ele praticamente declamou o segundo verso da música em que explica a primeira vez que foi a cidade quando tinha 18 anos, e em “Friend Zone” em que ele ratifica a paixão maluca por games e desenhos japoneses, especialmente “Dragon Ball Z”. Para se ter uma noção, o vilão mais icônico do desenho (Freeza) tava perfeitamente desenhado em seu All Star vermelho. A última música do BIS, pedido incessantemente pelo público, foi “Them Changes” que deixou a pista quente pro Tamenpi voltar e finalizar a noite. Foi o melhor show que vi nos últimos meses, desde Snarky Puppy também no circo.

Francisco Costa – IHateFlash

O momento.
Antes do show Paulo havia me dito para, depois do show, ficar naquele fosse do Circo ao lado dos banheiros, onde os artistas geralmente vão falar com os fãs após os shows. Fiquei lá e encontrei meu amigo DJ Tucho com o Disco de “Drunk” para um possível autógrafo. Paulo aparece e chama eu e o fotógrafo Francisco Costa do Ihateflash para subir ao camarim. Na minha cabeça veio um “FUDEU” gigante e tinha certeza que iria tremer na frente do cara.

No camarim, vejo um Thundercat deitado no sofá, descalço e tranquilão vendo o seu celular. Aquilo já me deixou muito mais tranquilo. Francisco começou a fazer as fotos e ele super solícito não viu problemas em ser fotografado deitadão tranquilão daquele jeito. Dalí eu já comecei a trocar uma ideia com ele.

Francisco Costa – IHateFlash

Começo elogiando a sua personalidade ao se vestir, ele fica amarradão e eu já me tranquilizo mais. A primeira pergunta foi sobre a importância de rappers como Kendrick Lamar e J. Cole pelos assuntos abordados por eles em momentos complicados para os negros ao redor do mundo.

“É importantíssimo termos vozes como as deles em momentos que acontecem as piores situações na américa e que ainda são justificadas. Eu sinto que não é somente sobre as pessoas pretas. É sim a nossa história mas pessoas como J. Cole e Kendrick fazem qualquer um sentir, ouvir e entender o que está sendo dito e isso é o mais importante. Caras como Kendrick são muito especiais pois são diferentes.”

Pergunto sobre um dos meus ídolos e digo que na minha opinião devemos demonstrar amor e carinho pra ele num momento difícil que está passando. Sobre Kanye:

“Pra ser muito honesto mano, ele precisa crescer. Quando você se torna extremamente famoso sua mente pode pirar. É muito do que eu penso. Sua nova família, seus novos pensamentos são estranhos pra quem ouviu “Graduation” incessantemente.”

A última pergunta foi a que fez sentido no título do texto e me deu mais um aprendizado. Thundercat é notoriamente um gênio como instrumentista e isso é demonstrado sempre nos seus discos e no seu show. Não necessariamente, ele é um aventureiro como cantor. Muito pelo contrário. Sua forma de cantar deixa essa identidade que eu citei milhares de vezes nesse texto, ainda mais evidente. Pergunto a ele quando que ele se deu conta que também era um grande cantor:

“Eu não sei mano. Eu me sinto bem quando eu canto, nunca é fácil pois são duas diferentes situações. Mas eu acho que quanto mais eu faço, melhor eu fico. Não tem outro jeito a não ser fazer. É não ter medo, ir e fazer.”

Essa foi a grande lição da noite. É chegar, acreditar e fazer. Foi assim que aconteceu essa entrevista, assim que conheci um grande cara que já era fã e assim que volto a escrever por aqui. E assim que Thundercat se destaca cada vez mais como músico e como artista. Fazendo, repetindo, refazendo e simplesmente acreditando. É por isso que estamos aqui.

Agradecimentos
Circo Voador
Dell’Arte Soluções Culturais