Série Chewing Gum e Stand Up Comedy Afraid of the dark

Postado por 26/04/2017

Há muito tempo tenho reparado que são poucas as situações de filmes, séries ou mesmo as piadas que me fazem rir, que me deixem confortáveis o suficiente para rir de algo ou de alguém.

Falar de riso é algo muito sério, pode parecer contraditório, mas rir é a liberdade suspensa numa linha muito ténue entre o engraçado e a humilhação.

Por exemplo, eu falo bastante por aqui sobre séries, especificamente séries que tenha como protagonistas mulheres e/ou homens negros, mas não consegui definir ainda – além de extremamente constrangida – como me sinto depois de assistir Chewing Gun.

Aclamada como uma das séries de comédia britânica mais divertidas dos últimos tempos, Chewing Gun é escrita e protagonizada por Michaela Coel, que dá vida a personagem de Tracey, uma menina de 24 anos que mora com a irmã e mãe num conjunto habitacional em Londres e após ano de namoro sonha em deixar de ser virgem.

Sabe onde reside a minha falta de riso? No humor britânico, que costuma ser mais ácido e nos estereótipos. Tracey passeia por alguns deles, naquela linha bem tênue que citei lá em cima. Eu não consegui achar graça em nenhum dos 12 episódios divididos em 2 temporadas e procurando críticas especializadas que embasassem a minha, fiquei só, pois parece que a internet inteira está encantada com Chewing Gun.

Mas nem tudo está perdido no mundo das risadas e das comédias, pois encontrei Trevor Noah.

Comediante sul-africano que faz uma sátira política de pouco mais de 1 hora em “Afraid Of the dark”, sem cair em nenhuma das piadas que se escoram em minorias na tentativa de serem engraçadas.

Podemos fazer rir falando do opressor, podemos mais ainda, podemos rir falando sobre imigração, colonialidade, racismo e sexismo sem cairmos na mesma pasmaceira de sempre, que é rir de quem a décadas vem sendo espezinhado.

Estamos cansados de sermos motivos de risos.

Engraçado é quando os dois lados acham graça.

Imagens: Cinema 10 e trend chaser

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Produção e Fotografia – Conheça: Sancho

Por Matheus Iéti 09/07/2020

Nas últimas semanas troquei idéia com quatro fotógrafos e descobri diferentes perspectivas de produção de conteúdo, olhar e, principalmente, de estilo na fotografia de rua.  Quanto mais o tempo passa mais percebemos a imensidão da criatividade e como ela é colocada em prática nos diferentes cantos da cidade, não sendo diferente com o Sancho que […]

Conheça o corre: I love my analog.

Por Matheus Iéti 26/06/2020

Ao longo das últimas semanas seguimos com a série: “Conheça o Corre” dentro dos artigos de costume do Radar. Este projeto visa entender o processo de criação de articuladores e articuladoras culturais que trabalham em mais de uma frente na produção artística  e de conteúdo. Posto isto, nos últimos dias bati um papo muito interessante […]

Conheça o corre: @_mulambo

Por Matheus Iéti 16/06/2020

Ao longo de 2019, nos conectamos com fotógrafas e fotógrafos no Rio de Janeiro. A experiência passada ao criar laços com esses e todos os outros articuladores culturais presentes no Radar vem sendo única e incrível. O cenário que estamos vivendo nos fez recorrer a outras formas de conexão dentro do processo de criação e […]