Sem beijo, sem abraço | Coluna da Taisa

Postado por 31/10/2019

Longe de mim usar uma coluna semanal como diário, mas se o que dentro de você te mata, o que fora de você te salva. Preciso confessar: tenho palmitado.

 

Pode me julgar, mas tem algo de mais leve em gostar de um cara branco, eu posso me render aos problemas inventados, tipo ciúme e outros dramas.

 

Diferentemente de quando eu namorava o Jorge, o mais gentil de todos os homens, embora ele não me desse nenhum trabalho, meu coração permanecia em constante palpitação, sempre acelerado e tenso.

 

Jorge é um homem retinto, tão preto quanto a noite, e cada vez que ele demorava pra chegar do trabalho vinha aquele frio na espinha.

 

Nunca dava tempo de pensar que ele tava comendo alguém ou bebendo em algum bar com os amigos. Meu pânico não tinha a ver com temer essas atitudes que dizem nascer das entranhas masculinas, meu pânico tinha a mais a ver com a realidade cotidiana do Rio de Janeiro. De maneira compulsiva e estridente, minha mente imaginava cenas intensas onde a polícia levava o meu homem de mim.

 

Não, nem faz essa cara aí, como se eu tivesse forçando a barra, ou como quem diz: “Pra ir parar na cadeia, boa coisa não fez”. 

 

A “coisa” que ele fez, foi nascer sendo quem ele é e polícia adora gente tipo ele: gente preta.

 

Na última terça quando a Lorenna (@badgallore) foi ao palco do Prêmio Multishow receber o prêmio de música do ano para “Vou parar na Gaiola”, do Rennan da Penha, DJ e produtor musical, minha cabeça foi longe. Se ela namorasse um cara branco, ela poderia ver o cara subindo no palco, fazendo um discurso emocionado. Ele quase choraria, agradeceria primeiro a Deus, depois mãe e equipe, e no final diria: “e minha amada esposa, que me apoiou em todos os momentos”. Ela se emocionaria pensando em toda batalha que eles passaram e depois, quando chegassem em casa, eles fariam o sexo da vitória cheio de paixão e ardor.

 

Mas não deu. Embora Rennan seja uma das pessoas mais importantes do entretenimento brasileiro hoje, é a cor da sua pele que não permite que Lorenna viva o sonho de curtir o prêmio do companheiro.

 

Não há espaços para a dúvida: com certeza Lorenna estava feliz. Mas e o discurso sendo citada como grande companheira? E o beijo apaixonado ao descer no palco?

 

A polícia pegou o homem dela.

 

Lorenna disse no instagram: “As grades não irão silenciar as batidas vindas dos becos e vielas da favela aceleradas, dos 150bpm que você ajudou a colocar na cena mundial e que agora, através de “Hoje eu vou parar na gaiola”, se torna canção do ano”. 

 

Sem beijo, sem abraço. Liberdade para o DJ Rennan da Penha 

*Coluna da Taisa

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]