Rico além do dinheiro: Filipe Ret e Imaterial

Postado por 26/04/2021

Depois de Audaz (2018), álbum que encerra uma trilogia muito consistente dentro do rap, que ainda conta com Vivaz (2012) e Revel (2015), Ret mostrou um crescimento fora da curva.

Diferentemente do caminho que trilhou em seus três primeiros projetos, que somados a mixtape Numa Margem Distante (2009) fundamentaram sua carreira, o rapper entra em uma série de colaborações. Agora, experimentando novas texturas e flows, criações lado a lado com produtores como Da77as e toda a equipe do seu novo selo NADAMAL, Ret mostra que 10 anos de carreira é o novo início.

Imaterial é um projeto curto, direto, intenso e o resultado final de todas essas experiências que citamos acima. War com produção de Dallas apresenta uma vibe chill. Ret desenvolve flows alá Ty Dolla Sign e sem perder força, escrevendo sujeira, o rapper caneta verdades despreocupadas com a crítica, uma bela introdução.

Em “Acende a Vela”, com Wey, Pedro Lotto e Nagalli, Ret rima: “Numa luta que não é só minha / Tô sem papa na língua quem liderou /Quem liberou os reaça pra perder a linha / Se o ser humano tem raça, eu odeio a minha“.

Construindo uma narrativa que fala de política mas sem deixar a síntese do disco cair, outro acerto.

“Além do Dinheiro” é outro golaço, também com produção de Dallas. A faixa já tinha sua guia vazada na internet e inclusive foi reproduzida em bailes e festas, mostrando que o jogo do rap continua sedento pelo novo. A versão oficial, lançada no projeto, acrescenta vocais entre os versos criando uma ambiência que o completa.

F*F*M é um hit. Com milhões de visualizações, a faixa foi single do projeto. Aqui, um Ret diferente, completo, com o peso de 10 anos e mais de carreira, confiante e experimentador, sem medo de soar brega e alcançando tons interessantes. Na música, o rapper constrói cerca de quatro flows e um refrão assertivo, citando de rimas ásperas como: “Militar não é militante (…)”  a “Bk’ falou nós é gigante” – Ret de forma simples explora uma lírica fora do usual.

Em Cobaia de Deus, lado a lado com MC Cacau e Dallas, Ret fecha o projeto com linguagens cotidianas. Uma track diferente das últimas de seus outros projetos, abrindo espaço para novas fases. O rapper continua batendo no sistema de forma leve, a revolução não será televisionada.

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Rico além do dinheiro: Filipe Ret e Imaterial

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Depois de Audaz (2018), álbum que encerra uma trilogia muito consistente dentro do rap, que ainda conta com Vivaz (2012) e Revel (2015), Ret mostrou um crescimento fora da curva. Diferentemente do caminho que trilhou em seus três primeiros projetos, que somados a mixtape Numa Margem Distante (2009) fundamentaram sua carreira, o rapper entra em […]

Conheça Bryan AVS

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Sempre que um nome interessante surge no nosso radar, buscamos saber suas inspirações e o que levou esse artista a construir pontes com o público. Hoje vamos falar de Bryan AVS: DJ e produtor que acaba de anunciar seu segundo projeto, a mixtape “Peças”. Sobre vida, arte e primeiras produções: “A arte está na minha […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]