COMPARTILHAR

Em 9 de junho de 2017 a Marvel soltou o primeiro trailer de Pantera Negra, em 16 de outubro soltou o trailer oficial do filme e a internet foi a loucura! A cada foto que aparecia a ansiedade dos fãs crescia mais e mais, pegando até quem não era consumidor do universo das HQs.
Foi anunciado que a direção musical seria de ninguém menos que Kendrick Lamar e ai, não teve quem não tivesse um siricutico para fevereiro chegar logo.

E chegou.
– Chegou em grande estilo pelas mãos de Ryan Coogler na direção e parte do roteiro. Coogler que com apenas 31 anos já dirigiu Fruitvale Station: A Última Parada (2013), e recebeu diversos prêmios e também escreveu e dirigiu o sétimo filme da saga Rocky, Creed (2015), ambos estrelados por Michael B. Jordan que em Pantera Negra é anti-herói Killmonger. E segundo Jordan uma das suas inspirações para a construção de seu personagem veio de “Cidade de Deus”:

“Quando a gente fez “Fruitvale Station” vimos o filme várias vezes. E pensamos em como nós, frutos do gueto, conseguíamos entender, até sem som, os personagens do Rio de Janeiro. Fiz pesquisa para meu personagem vendo o filme de Fernando Meirelles e Kátia Lund, e ele se tornou um de meus favoritos na vida. Quando Ryan disse que ele queria que os meninos de “Cidade de Deus” se vissem na tela em “Pantera negra” ele resumiu de uma forma bem crua o sumo deste nosso papo.” disse o ator.
fonte: aqui

– Pelos figurinos grandiosos de Ruth E. Carter que trabalhou em: Mais e melhor Blues (1990), Tina (1993), Amistad (1998), Malcolm (1993), Raízes (2006) e Selma (2015):

“Meu maior orgulho nesse filme foi desenhar as roupas da Dora Milaje, a guarda real do Pantera, feita só por mulheres negras, entre elas a minha linda amiga Danai Gurira”, disse Ruth. “O desafio era criar um uniforme de guerra que tivesse um apelo bélico aos olhos do público, sobretudo para quem é leitor das HQs Marvel, e que conseguisse realçar a beleza das mulheres. A beleza como força feminina”.
fonte:aqui 

– Pelo olhar acurado e primoroso de Hannah Beachler que fez Creed (2015), Moonlight (2016), Lemonade – álbum visual (2016) e que conseguiu em Wakanda uma noção fiel da realidade, ambientando os espaços externos e internos de referências perfeitamente possíveis. Quem não se lembra das pinturas lindíssimas que estão nas paredes do super Lab da Shuri?

Chadwick Boseman é T’Challa, um rei político que ainda está se descobrindo, mais centrado, mais sofrido com a perda recente do pai e entendendo o peso das obrigações que estão nas suas costas e em contrapartida nós temos um incrível Killmonger (Michael B. Jordan) muito mais multifacetado, que crescendo num conjunto habitacional na América desenvolveu uma sagacidade maior e que por ter perdido tanto, se joga com muito mais vigor nos seus desejos e na vontade de pegar Wakanda para si.

E eu nem vou entrar no mérito das suas razões e justificativas, o que faz dele um personagem que inspira empatia o tempo todo.

O filme possui algumas camadas, num primeiro momento você acha que está assistindo, ou melhor, que será apresentado somente ao um filme de super herói, até que você percebe as nuances e chega as demais camadas, que é toda a complexidade dos diversos povos mostrados, como: Os Mursi do Vale do Omo; Os Fula ou Fulani de Mali, Nigéria e Bissau; Os Massai do Quênia e Tanzânia; Os Himba de Angola e Namíbia; Os Amazulu ou Zulu da África do Sul; Os Ashanti de Ghana e por fim e não menos importante, As Ahosi, mulheres guerreiras Fon do antigo reino do Daomé em Benin (fonte: aqui) e quais as discussões sociais e políticas fazem Wakanda ser a nação mais poderosa e com a melhor tecnologia existente.

O respeito as tradições, a ancestralidade e o peso do legado – como chegar aos pés de quem foi o rei perfeito antes de ti?- gritam o tempo todo de uma forma belíssima com o olhar de só quem é filho do Continente pode sentir.

Pantera Negra é pioneiro e tem levado os negros da diáspora e do Continente a aclamá-lo tanto por alguns motivos:

1 Foi escrito em 1966
2 É o primeiro protagonista de filmes de super heróis que  tem ascendência Africana e Não Americana
3 Surge antes de Falcão (1969) e Luke Cage (1972)
4 Ele é o primeiro personagem negro de quadrinhos que antes de ser super Herói não teve um passado pautado na violência, ou seja, ele mostra outras possibilidade de ser negro, outro passado e consequentemente outro futuro
5 Ele é nobre, com família estruturada e sem vínculos estereotipados
6 Ele é herdeiro da nação mais poderosa tecnologicamente
7 O primeiro filme de super heróis da Marvel a ter um elenco majoritariamente negro.

Elencar os marcos raciais do filme é reconhecer a homogeneidade dos seus predecessores da Marvel (Houve 17!!!!! filmes).

Personagens femininas

O que são às guerreiras Dora Milaje?
Principal exército de Wakanda e responsáveis pela guarda pessoal de T’Challa, sendo comandadas pela general Okoye interpretada pela fantástica Danai Gurira é umas das personagens que dá sustentação a trama de forma absurda e mostra como é possível, assim como todas às demais, a criação de personagens femininas múltiplas e longe de estereótipos. Danai falou sobre a importância das personagens femininas para que Wakanda fosse a nação mais poderosa do mundo:
“É realmente algo onde se pode aprender quando as mulheres são capazes de entender e atualizar sua grandeza e seu total potencial sem que seja algo ressaltado de forma exagerada,” disse Gurira. “Apenas está lá, apenas é o que é e todos entendem – o rei entende, os homens entendem, todo mundo entende. Isso é o que permite nossa nação avançar e ter progresso para estar na linha de frente.”
“Esse realmente é o negócio,” adiciona ela. “Queremos progresso? Se queremos progredir, deixe as mulheres serem tudo o que elas podem ser. Não entre em seu caminho.”
fonte: aqui

Ramonda interpretada pela belíssima Angela Bassett é o suporte de T’challa, é o conselho e a sabedoria que chega, todas às vezes que ele se sente perdido.
Nakia (Lupita Nyong’o) é a espiã que equilibra lindamente o amor pelo seu país com o dever de ajudar os mais fracos.
Shuri (Letitia Wright) é a princesa mais fantástica, a menina por trás de toda tecnologia das roupas, carros e armas que estão a disposição de T’Challa. É o vigor, e o sopro de esperança em Wakanda.

#WakandaForever é a possibilidade nas telas de vermos e identificarmos uma nação potente que poderia ter sido cada país do Continente, se não fosse o roubo, a exploração e ação doente do colonizador.

Curiosidades sobre Pantera Negra
   
1 As cachoeiras magníficas de Wakanda são planos filmados nas cataratas do Iguaçu, no lado argentino.
2 Tanto o personagem Pantera Negra que foi criado pelo escritor e editor Stan Lee e pelo escritor e ilustrador Jack Kirby, como a Organização dos Panteras Negras surgiram no mesmo ano, em 1966 e reza a lenda que um não tem nada a ver com o outro.
3 O idioma africano falado no filme, ou seja, a língua oficial do reino Wakanda, é uma língua Bantu chamada IsiXhosa, Prima da língua Zulu, ambas da África do Sul, e recheada de cliques da língua dos povos Khoisan (Bosquimanos).
4 Durante a Saga Guerra Civil, T’Challa se casou com Ororo Monroe, a Tempestade, no evento que ficou conhecido como O Casamento do Século.
5 Black Panther: The Album, trilha sonora de Pantera Negra produzida por Kendrick Lamar, atingiu o topo da Billboard 200 esta semana. O disco vendeu o equivalente a 154 mil unidades, sendo que 52 mil foram vendas físicas.
6 O Filme estreou em 15 de fevereiro e 3 dias depois já ostentava o título de 8ª maior bilheteria de um único dia na história ($75.8 milhões)
7 Ryan Coogler e Michael B. Jordan possuem planos de filmarem juntos a história de Mansa Musa I de Mali – o obscuro rei africano do século 14 que foi a pessoa mais rica de toda a história, com uma fortuna ajustada à inflação de US$ 400 bilhões.

 

#WakandaForever