Minha Primeira Música – Rafael Moura

Postado por 19/12/2017

“A minha primeira música não é exatamente a primeira música que me marcou, mas sim a música que marcou marcou minha vida neste ano de 2017.

Eu fiquei internado durante nove dias por causa de problemas na vesícula e na madrugada anterior ao dia anterior ao receber alta, sonhei com ela, mas não lembrava do nome!

A música é do Cartola – Preciso me encontrar, da qual a melodia da introdução, ficou na minha cabeça a manhã inteira. Depois da visita do médico me deu alta e disse que eu precisava “repensar minha vida e meus hábitos”, eu lembrei que tinha ouvido essa música no filme Cidade de Deus, fui ver o filme e “descobri” qual era música.

Ela marcou muito esse meu ano de 2017. “Deixe me ir, preciso andar, vou por ai a procurar, rir para não chorar…””.

Rafael Moura – CEO da LOOC e Coordenador de Moda do Instituto Black Bom

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]