Empreendedorismo cultural: Conheça a Dona Bomba.

Postado por 07/01/2020

Conhecendo novos espaços e como a comunicação artística acontece é buscar inovação. O interesse por trás de um empreendimento nem sempre se trata apenas de “Cash Rules Everything Around Me” mas de contribuir para uma cultura que precisa ser regada. Nota-se que aqui o dinheiro é fundamental mas o viver de um sonho é algo maior.

 

Além da PPKREW,  Amora me conta sobre a Dona Bomba Graffiti Shop, (2017) a primeira loja de graffiti do Brasil, gerida 100 por cento por mulheres e criada por integrantes da PPKREW. Amora contribui com a loja trabalhando como de designer até vendedora quando necessário.

O corre do nosso Radar da semana é a Dona Bomba, um grafitti shop que se encontra na Rua do ouvidor Número 130, bem no segundo andar de uma galeria no Centro do Rio de Janeiro. 

Antes de continuar sobre a loja precisamos voltar alguns fatos. A dona Bomba surge como um dos projetos da PPKREW um coletivo que tem mulheres de diferentes pontos do Rio. Elas buscam mobilizar a cena a fim de chamar mais meninas de outras esferas para conhecer seu trabalho além de clientes em potencial todos os dias em sua loja.

No sábado visitei a loja e bati um papo com as meninas e descobri coisas interessantes sobre o início da loja.

Lara me conta que a ideia da Dona Bomba surgiu em Dezembro de 2016 e logo após em Janeiro de 2017 elas já abriram o CNPJ.

Como todos sabemos, vir de baixo e ter dinheiro de sobra para os investimentos é algo quase impossível e nesse contexto a primeira compra para a Dona Bomba aconteceu apenas em julho de 2017 .

Um pouco mais a frente em setembro de 2017 as meninas inauguraram a primeira loja.

A visão da Dona Bomba é clara e direta: Se manter como o primeiro grafitti shop criado e gerido por mulheres. A Dona Bomba é um lugar onde as pessoas se sentem acolhidas independente de qualquer pré condição.

Ela é composta por Pâmela Matos, KleinRenata Fernandes e Luciana Moreira (Design).

A Dona Bomba tem grande expressão no cenário, elas me contam que estiveram presentes nas edições 13 e 14 do MOF (Meeting Of Favela), na primeira edição do Grafitti Queens e além de outros trabalhos importantes elas né contam sobre o Mutirão da Pedra Lisa no último aniversário da loja na sede do espaço cultural SPARTA RIO.

Uma história interessante sobre empreendimento e necessária para a cultura. As meninas me contam sobre os planos futuros que giram em torno da expansão das ações não só da Dona Bomba como da própria PPKREW que vem ganhando cada vez mais notoriedade na cultura urbana. Valorize o trampo das mina. 

 

Todas as fotos foram feitas por ED.

 

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Produção e Fotografia – Conheça: Sancho

Por Matheus Iéti 09/07/2020

Nas últimas semanas troquei idéia com quatro fotógrafos e descobri diferentes perspectivas de produção de conteúdo, olhar e, principalmente, de estilo na fotografia de rua.  Quanto mais o tempo passa mais percebemos a imensidão da criatividade e como ela é colocada em prática nos diferentes cantos da cidade, não sendo diferente com o Sancho que […]

Conheça o corre: I love my analog.

Por Matheus Iéti 26/06/2020

Ao longo das últimas semanas seguimos com a série: “Conheça o Corre” dentro dos artigos de costume do Radar. Este projeto visa entender o processo de criação de articuladores e articuladoras culturais que trabalham em mais de uma frente na produção artística  e de conteúdo. Posto isto, nos últimos dias bati um papo muito interessante […]

Conheça o corre: @_mulambo

Por Matheus Iéti 16/06/2020

Ao longo de 2019, nos conectamos com fotógrafas e fotógrafos no Rio de Janeiro. A experiência passada ao criar laços com esses e todos os outros articuladores culturais presentes no Radar vem sendo única e incrível. O cenário que estamos vivendo nos fez recorrer a outras formas de conexão dentro do processo de criação e […]