Ela quer tudo – AUR

Postado por 27/11/2017

O nome dela é Nola Darling (DeWanda Wise) é o tudo que ela quer é autonomia emocional, liberdade sexual e pleno direito de viver a sua vida sem a interferência/julgamento de absolutamente ninguém, inclusive dos homens com os quais ela se relaciona.

Quando li sobre o filme “She’s gotta have it”, alguns sites definiam o filme como a busca de uma mulher negra por emancipação sexual e relacionamentos não-monogâmicos e logo após assisti-lo, a minha maior preocupação foi a demarcação e reafirmação de estereótipos negativos, como por exemplo, a mulher negra hipersexualizada e colocada no lugar de promíscua.  
Me enganei redondamente. Nola Darling fala por si, conta a sua história, sem intermediário, olhando direto nos nossos olhos.

 #SeJoga (Doutrina)

Esse é o nome do primeiro episódio da série pela Netflix – no total de 10 episódios – cuja protagonista é uma jovem pintora que entre os três relacionamentos – com o maduro Jamie Overstreet, o narcisista Greer Childs e o jovem Mars Blackmon – relata a crueldade que é não poder, enquanto mulher negra, andar tranquilamente pelas ruas da cidade, em virtude da quantidade absurda, invasiva e agressiva de cantadas que recebe.

Alguns fatos técnicos:

O filme foi lançado em agosto de 1986.
Foi o primeiro longa metragem do diretor Spike Lee, que também assina o roteiro, a produção e o papel de um dos protagonistas, o engraçado, Mars Blackmon.
She’s gotta have it foi inovador na representação dos negros no cinema norte americano, retratando mulheres e homens não como cafetões e garotas de programa, mas sim como jovens bem sucedidos e moradores do bairro Fort Greene/Brooklyn.

*SPOILER DO FILME – SE VOCÊ NÃO VIU O FILME E A SÉRIE PARE POR AQUI *

Em entrevista ao Huffington Post em maio de 2014, Spike Lee se disse extremamente arrependido de ter escrito e dirigido a cena de estupro do filme, é que no especial que ele filmou pra tv logo depois, a cena não se repetiria.

*CABÔ SPOILER*

Obs: o que é a trilha sonora da série? E as capas dos  cds que aparecem assim que a música para de tocar? Nomes como: The Isley Brothers, Maxwell, Mary J. Blige, Jill Scott, misturados com referências do basquete e membros da militância negra americana.

Isso só no primeiro episódio. Spike Lee produziu um belíssimo trabalho.

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Produção e Fotografia – Conheça: Sancho

Por Matheus Iéti 09/07/2020

Nas últimas semanas troquei idéia com quatro fotógrafos e descobri diferentes perspectivas de produção de conteúdo, olhar e, principalmente, de estilo na fotografia de rua.  Quanto mais o tempo passa mais percebemos a imensidão da criatividade e como ela é colocada em prática nos diferentes cantos da cidade, não sendo diferente com o Sancho que […]

Conheça o corre: I love my analog.

Por Matheus Iéti 26/06/2020

Ao longo das últimas semanas seguimos com a série: “Conheça o Corre” dentro dos artigos de costume do Radar. Este projeto visa entender o processo de criação de articuladores e articuladoras culturais que trabalham em mais de uma frente na produção artística  e de conteúdo. Posto isto, nos últimos dias bati um papo muito interessante […]

Conheça o corre: @_mulambo

Por Matheus Iéti 16/06/2020

Ao longo de 2019, nos conectamos com fotógrafas e fotógrafos no Rio de Janeiro. A experiência passada ao criar laços com esses e todos os outros articuladores culturais presentes no Radar vem sendo única e incrível. O cenário que estamos vivendo nos fez recorrer a outras formas de conexão dentro do processo de criação e […]