Djonga e Pelé. No Viaduto e no Maracanã.

Postado por 24/06/2019

O Santos dos anos 60 – de Pelé, Pepe e Coutinho e um dos times mais emblemáticos da história – se tornou tão gigante que, mesmo sendo de uma cidade litorânea de São Paulo, escolhia o Maracanã para jogar os seus maiores jogos da época. E os cariocas endossavam o time por puro amor ao bom futebol. O sentimento que eu tenho quando vejo Djonga no Viaduto se compara ao sentimento que meu avô sentia ao ver o Santos de Pelé no Maracanã nos anos 60. A conexão que o artista tem com aquele espaço é mágica. Pelas raízes, pela luta e pela conexão que Djonga e o Viaduto tem em comum.

Poucas vezes vi o Viaduto de Madureira tão cheio. Das barracas de comida até o palco, todo o público presente queria ver um dos rappers que mais verdadeiramente se conectaram com o Viaduto nos últimos tempos. O exemplo que Djonga passa para o seu público é de se admirar. Cheguei em cima da hora do show e vi uma boa parte dele no meio da platéia. O mais bizarro era reparar que uma boa parte da galera, que estava atrás das duas pilastras centrais do Viaduto, não conseguia ver o show e mesmo assim cantava todas as músicas a plenos pulmões e batia palma. A rapaziada que fica grudada nos tapumes de alumínio fora do Viaduto cantavam juntos de forma pesada e batiam na estrutura como se aquele fosse o último show do cara no espaço. Todo aquele ambiente jogava junto com o rapper e mostra que independente do seu tamanho como artista, você precisa ter a obrigação de tocar naquele lugar como um dos seus maiores sonhos. E se você estourar, você precisa voltar e cativar aquele público que não vai te deixar.

Ver o show da platéia me relembrou da fraternidade entre amigos quando estão juntos vendo um artista que amam de verdade. Em 2009 fui em um show do Rappa na Fundição com 2 amigos e volta e meia aquelas imagens, aquela multidão e aquele choro engasgado que senti quando cantei “Reza Vela” me voltam a cabeça. Eu me senti representado por 3 amigos, sem camisa, abraçados e chorando com “BENÇA”. Juntos, sem vergonha dos seus sentimentos e compartilhando do que era mais importante pra eles naquele momento. O amor pelas suas amizades.

Assim como num estádio, quando o seu time faz um gol, você abraça até desconhecido para compartilhar aquele momento único contigo. Ou numa missa quando você deseja a paz de cristo pra aquela pessoa que tá do seu lado e que você nunca viu. Grandes artistas causam esse impacto e o Djonga é foda por isso. Ele dá o exemplo através da raiva e do amor. Da dor e da família. Da energia e da calmaria. Ele uma atmosfera onde as pessoas vibram, compartilham, se sentem representadas. Meu avô entrava de um jeito no maracanã para ver o Pelé e saía diferente. Eu entrei no Viaduto de um jeito para ver Djonga e saí diferente.

*As fotos são de Lucas Sa

*Agradecimentos ao coletivo O Trem

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]