Série Pitch (Fox)

Postado por 27/03/2017

O baseball, embora pouco conhecido no Brasil, é um dos esportes mais populares na América Central e na América do Norte, sendo ele o desporto que mais leva torcedores aos estádios nos Estados Unidos.

A Major League Baseball – Liga Principal de Beisebol – é o nível mais alto do jogo profissional na América, cujo atual campeão é o Chicago Cubs e o time que mais tem títulos (27) e o mais valioso (US$3,4 bilhões), segundo a revista Forbes, é o New York Yankees.

O contrato mais valioso da história de todos os esportes (US$325 milhões) foi assinado em 2015 por Giancarlo stanton para jogar no Miami Marlins por 13 temporadas.

Mas você deve estar se perguntando: Por que citar tantos números? Porque por trás de cifras que ultrapassam e muito a casa dos 3 dígitos, não há uma mulher. Seja nos bastidores, como manager ou treinadores, ou como jogadoras da Liga Principal.

Ah sim, a primeira mulher a integrar a lista de registros internacionais da MLB, foi a francesa Melissa Mayeux, em 2015, e lembramos que ela está elegível a ser contratada mas até o momento nenhuma equipe integrou ela em seu casting. Estamos falando de um esporte cuja primeira referência surge em 1744 e que aceitou um negro (Jackie Robinson) como jogador apenas em 1947.

“Jogar como uma menina” ganha outra conotação quando a menina em questão é Mo’ne Ikea Davis, 16 anos. Jogadora da Liga Americana da Filadélfia, Mo’ne Davis foi a primeira menina negra a jogar a 2014 Little League World Series e ganhar após lançar um shutout (é quando um pitcher – arremessador- completa um jogo sem ceder nenhuma corrida) e ser capa da Sports Illustratred como jogadora da Liga Menor.

E é aqui que a ficção entra para dar conta da representação da realidade…

Em Pitch, série de 2016 da Fox, Genny Baker (Kylie Bunbury) é a primeira mulher, mulher negra – racializar é necessário para situar uma mulher negra na linha histórica, quando há um apagamento (vide Hidden Figures) – a integrar a MLB no time do San Diego Padres.

Uma mulher negra de 23 anos, sendo a primeira a integrar um time na liga profissional de beisebol…Devido ao ineditismo, Genny Baker já chega balançando o time, fazendo com que todos os jogadores questionem a sua capacidade enquanto mulher e lançando para si todos os holofotes num mundo até então masculino.

A série se utiliza de flashbacks para contar a história em 10 episódios, a relação com pai que foi o grande influenciador para a sua entrada no esporte, as relações com a mãe e com o irmão. As suas expectativas sobre abrir caminhos e ver menininhas com cartazes sobre serem as próximas.

Aqui um ponto que poucas vezes tocamos e que quando somos extremamente pressionadas, ele vem a tona: A síndrome do impostor, essa síndrome aparece principalmente em mulheres e se configura por uma crise existencial intensa e por questionamentos sobre as nossas reais capacidades. Para saber mais sobre ( http://migre.me/wgS4t ) e vídeo (http://migre.me/wgS5u ).

Pitch trás para a discussão a pouca representatividade dos negros nos campos de poder quando Ginny Baker está como exceção assim como LeBron James (Basquete), Serena Williams (Tênis) e Barack Obama (Política).

Ginny Baker é uma menina de 23 anos no topo do mundo e de lá às vezes se sente só, se questiona, lembra de eventos e fatos que teve que abrir mão pra chegar onde chegou e de que todos, absolutamente todos os dias, ela tem que enfrentar um mundo que diz que ela está no lugar errado.

Mainsplaining (junção das palavras ‘man’ e ‘explain’): situação em que homens interrompem mulheres para dizer exatamente o que elas estava dizendo quando foram interrompidas, de forma paternalista. Essa situação que muitas mulheres passam, aprendi em Pitch.

Mas nem tudo é um jogo de She x Men, lá por volta do sétimo episódio temos uma verdadeira aula de como o corpo de uma mulher pode ser objetificado e de como os homens podem agir para mudar mentes e cenários machistas.(sem spoliers 🙂 )

Pitch é uma série sobre mulheres negras no topo, das guerras vencidas e perdidas, sobre relações familiares construídas a partir de um sonho, mas é sobretudo sobre acreditar em “I’m next”.

Assista o trailer:

Imagem: Banner de divulgação

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Rico além do dinheiro: Filipe Ret e Imaterial

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Depois de Audaz (2018), álbum que encerra uma trilogia muito consistente dentro do rap, que ainda conta com Vivaz (2012) e Revel (2015), Ret mostrou um crescimento fora da curva. Diferentemente do caminho que trilhou em seus três primeiros projetos, que somados a mixtape Numa Margem Distante (2009) fundamentaram sua carreira, o rapper entra em […]

Conheça Bryan AVS

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Sempre que um nome interessante surge no nosso radar, buscamos saber suas inspirações e o que levou esse artista a construir pontes com o público. Hoje vamos falar de Bryan AVS: DJ e produtor que acaba de anunciar seu segundo projeto, a mixtape “Peças”. Sobre vida, arte e primeiras produções: “A arte está na minha […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]