Lendo agora
O axé dos Prettos

O axé dos Prettos

Mantendo a essência da roda de samba, os Prettos iniciam mais uma jornada com “Axé, Ar”. Esse é o primeiro de quatro EPs, que juntos vão compor o quarto álbum dos irmãos Magnu Sousá e Maurílio de Oliveira.

Apesar de ter pouco mais de 15 minutos, distribuídos em 4 músicas, o “play extendido” aborda temas necessários para serem discutidos na sociedade brasileira. Faz o corpo dançar e cabeça pensar. “Esse projeto une tudo o que nós somos e acreditamos, tanto no sentido filosófico, espiritual, social e político”, diz Magnu.

A fé, alicerçada nos pilares das religiões de matrizes africanas, direciona os posicionamentos. Seguindo as tradições, as ideias são acompanhadas por um instrumental orgânico, tendo como base principal o cavaquinho, pandeiro, tambores e repique de mão. No coro, eles têm o rejunte de Thiago Jamelão, Lucas Souza, Paloma de Paula, Mozart de Paula e Kimberley Cibok.

É com essa estrutura que Magnu e Maurilio compartilham a mesma energia sentida por quem frequenta o tradicional Quintal dos Prettos. Há uma conexão com a ancestralidade negra, o amor e trata da necessidade de elevar a autoconfiança das pessoas pretas, para que não baixem a cabeça diante do racismo de cada dia.

De forma direta, eles mostram que existe uma necessidade de se afirmar, sem medo dos julgamentos alheios, e de enaltecer os que vieram antes, dando o “papo reto” aos que ainda inviabilizam aqueles que abriram os caminhos.

Apesar do tiro curto, os Prettos acertam o alvo. Refletem uma realidade que precisa urgentemente ser transformada. Serve de manifesto. E aguça os ouvidos para o que virá na sequência. A arte que ilustra a capa, assinada pelo Dracoimagem, também dá sinais do que será entregue após o quarto EP. São 4 elementos da natureza que se juntarão ao final, revelando uma imagem conceitual do axé.

“A ilustração representa muitas coisas diferentes e espero que a cada olhar, o espectador possa captar um detalhe novo, uma informação nova e uma narrativa nova, porque é uma história que está sendo contada”, observa Magnu. Acredito que estamos levando muito sentimento positivo e, principalmente, muito axé através dela”.

 

Ver comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado.


© 2021 POTÊNCIA CULTURAL. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.