Master Of None ou Falando sobre Aziz Ansari

Postado por 14/06/2017

O ano era 2016, eu trampava numa grande rede de livrarias aqui do Rio e quando vi a capa daquele livro com um coração interligado de pontos rosas e azuis e cujo título era Romance Moderno, logo quis saber do que se tratava.

Relações em tempos de internet, mandar ou não aquela msg? Marcar naquele meme de indireta? Convidar pra sair pelo fb ou pelo WhatsApp? Pq ele (ela) demora tanto pra responder? Que inferno!!! Como se relacionar na era digital, quando as opções são muitas, porém uma pá de gente segue sozinha?

Numa mistura de humor com sociologia das relações, Aziz Ansari mandou muito bem e foi a minha deixa e desculpa – estudo antropológico – para entrar no Tinder, e não ficar lá por mais de 2 meses. Pela deusa, que saara estranho, as pessoas dão match e não interagem, começam uma conversa e não dão continuidade e ainda tem aquelas que nunca saem do bate papo, aff, 2 meses longos.

Logo depois que acabei de ler o livro, fui atrás dos 2 stand up comedy que o Aziz protagoniza na Netflix – Aziz Ansari Buried Alive e Aziz Ansari Live – e descobri que a minha grande dificuldade de rir com programas de comédia não acontecia com ele, as esquetes tem muito do livro em temas como: sms picantes, vida moderna, velhas questões em novas formas de se relacionar, entre tantos outros.

E chegamos a Master Of None.

A melhor série quando se fala em minorias.

Aziz Ansari é Dev Shah, um descendente de indianos que tenta a sorte em Nova York como ator, são duas temporadas de 10 episódios cada uma, sendo que cada episódio tem um mote diferente, deixando cada um muito especial e bastante único.

Algumas curiosidades sobre Master Of None:

1 – Os pais de Aziz, são os pais de Dev Shah e é bastante peculiar vê- los em cena, já que eles não eram atores, antes da série.

2 – A série dialoga de forma genial como é ser um jovem de 30 anos no mundo moderno.

3- Alguns episódios da segunda temporada tem inspiração forte no cinema italiano.

4- Imigração, relações étnicas, relacionamentos em apps, amizades e companheirismo, está tudo lá, em duas temporadas.

5 – Tratar de assuntos sérios como: ser um ator indiano e estar relegado a ser sempre o personagem indiano caricato nos trabalhos, a invisibilidade dos personagens comuns do dia dia, religião, lesbofobia entre tantos outros, com leveza, só nos mostra que é possível sim, falar sobre o que nos toca de forma humana e responsável.

6 – A primeira temporada demora a engatar, mas a segunda está esplêndida.

7 – Da segunda temporada, destaco dois episódios incríveis: o episódio 6 (New York, I love you) e o número 8 (Thanksgiving).

Dica: Leia o livro Romance Moderno, veja os 2 Stand up comedy e assista Master Of None.

Imagem: netflix

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

O corre do DJ: Conheça Diniboy

Por Pedro Bonn 13/05/2021

Meu primeiro contato com o Diniboy foi em 2015, quando eu ouvia falar muito de um DJ que mesclava trap, dubstep e umas sonoridades diferentes. Procurei por um set no Soundcloud e comprovei que ele era diferenciado em relação ao que a galera mais nova vinha fazendo. Fiz um convite para ele tocar no meu […]

Rico além do dinheiro: Filipe Ret e Imaterial

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Depois de Audaz (2018), álbum que encerra uma trilogia muito consistente dentro do rap, que ainda conta com Vivaz (2012) e Revel (2015), Ret mostrou um crescimento fora da curva. Diferentemente do caminho que trilhou em seus três primeiros projetos, que somados a mixtape Numa Margem Distante (2009) fundamentaram sua carreira, o rapper entra em […]

Conheça Bryan AVS

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Sempre que um nome interessante surge no nosso radar, buscamos saber suas inspirações e o que levou esse artista a construir pontes com o público. Hoje vamos falar de Bryan AVS: DJ e produtor que acaba de anunciar seu segundo projeto, a mixtape “Peças”. Sobre vida, arte e primeiras produções: “A arte está na minha […]