Get Out ou Corra!

Postado por 22/05/2017

Eu nunca usei esse termo, ou sequer concordo com ele, mas confesso que quando o filme acabou uma frase veio forte na minha cabeça: Não palmite. 🙂

Brincadeiras a parte, Get Out é um maravilhoso filme de terror, e olha que esse é um gênero que não desperta em mim a mínima curiosidade, visto que só consigo rir e rir muito nos filmes de terror, de tão bizarros que geralmente eles são.

“Eu não sou racista, tenho até amigos que são negros” ou “Eu não sou racista, meu namorado é negro”, quantas vezes essas frases aparecem como justificativas quando apontamos comportamentos racistas? Get Out é sobre isso, ou melhor, essas frases poderiam ter saído da boca da personagem Rose.

Dominação e Racismo. É sobre esses dois conceitos que o filme se desenrola, sem dar spoilers, Chris Washington, um fotógrafo negro, após 5 meses de namoro vai enfim conhecer a família da sua namorada branca, Rose e acaba se deparando com comportamentos que a princípio pareciam complacentes demais e ao longo do filme se mostram assustadores.

– Nas primeiras cenas toca Redbone de Childish Gambino, que é um alento para tudo que está por vir. –

Em Get Out, o diretor Jordan Peele consegue transformar o horror assustadoramente real do racismo em terror nas telas com cenas de hipnose, dominação, sadismo psicológico e controle dos corpos negros (eu vi um reflexo de Peles Negras, Máscaras Brancas de Fanon, aqui? Fica aqui o questionamento). Em entrevista ao site Deadline, o diretor afirma que o dvd sairá com um final alternativo, beeeem diferente do final que está nos cinemas. E nesse link (https://filmschoolrejects.com/get-out-commentary-jordan-pe…/) o diretor faz 40 comentários sobre o filme – Leia somente se você já tiver assistido pois contém muuuuitos spoilers.

Se você não viu o filme PARE AQUI.

O que é o final que me deixou com o coração na boca?

Existe uma diferença absurda na sua percepção de quando o carro chega, se você é negro ou se você é branco. É possível ter sensações totalmente distintas quando o carro se aproxima. Um pavor que só quem vive sem segurança e com medo de quem deveria dar proteção, consegue alcançar.

Imagem: Her campus

O Peso que Djonga Carrega

Por Matheus Iéti 15/04/2021

O disco “Nu”, de Djonga, já está na pista há um mês. É o quinto da sua carreira e brotou pra continuar o legado tradicional que o rapper mineiro vem trilhando dentro da arte. Pedro Bonn foi direto na análise que disponibilizamos no nosso Instagram. Com certeza os principais acertos dentro do projeto são suas […]

Guia completo sobre POSS

Por Pedro Bonn 08/02/2021

Um conteúdo completo sobre a maior movimentação artística brasileira dos últimos anos (TESTE) TESTE

Assertividade: CHS Lança o Seu Novo Álbum “Tudo Pode Acontecer”

Por Matheus Iéti 04/05/2020

“Tanto faz o que ‘cê faz da vida, objetivo vai ser sempre um, dar conforto pra minha família meu patrão, não acredito em nenhum…” Assim CHS abre seu novo projeto oficial –  Tudo pode acontecer – (2020) Pirâmide Perdida. Contextualizando: Se você não está familiarizado com o rapper, posso te apresentar algumas faixas importantes ao longo de sua […]

Rico além do dinheiro: Filipe Ret e Imaterial

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Depois de Audaz (2018), álbum que encerra uma trilogia muito consistente dentro do rap, que ainda conta com Vivaz (2012) e Revel (2015), Ret mostrou um crescimento fora da curva. Diferentemente do caminho que trilhou em seus três primeiros projetos, que somados a mixtape Numa Margem Distante (2009) fundamentaram sua carreira, o rapper entra em […]

Conheça Bryan AVS

Por Matheus Iéti 26/04/2021

Sempre que um nome interessante surge no nosso radar, buscamos saber suas inspirações e o que levou esse artista a construir pontes com o público. Hoje vamos falar de Bryan AVS: DJ e produtor que acaba de anunciar seu segundo projeto, a mixtape “Peças”. Sobre vida, arte e primeiras produções: “A arte está na minha […]

A indústria da música precisa do The Weeknd

Por Matheus Iéti 17/04/2021

Não é como se Abel Makkonen Tesfaye A.K.A The Weeknd fosse apenas um cantor pop que a cada lançamento arrasta multidões. A linguagem em todos os projetos, desde Echoes of Silence e Thrusday (2011) ou até mesmo Trilogy (2012) são marcados por uma linguagem suja e totalmente desproporcional ao que é vendido pela indústria dos […]